Publicado por: inctambtropic | agosto 17, 2014

inctAmbTropic disponibiliza o seu relatório bianual

Esta disponível o relatório bianual do inctAmbTropic – Ambientes Marinhos Tropicais (2012-2014). O relatório apresenta os principais resultados alcançados até o momento pelos diferentes GTs, assim como a listagem das publicações de cada GT.

2014-08-17 at 10.54 AM

Clique para download do relatório bianual

Publicado por: inctambtropic | agosto 17, 2014

Escola de Verão em Natal

No periodo 8-18 de setembro de 2014 será realizada em Natal (RN) com o apoio do inctAmbTropic (GT2.1), a escola de verão sobre Mudanças Costeiras. A escola de verão é organizada pelo Consórcio de Excelência “The Future Ocean” da Universidade de Kiel – Alemanha. Para maiores informações acessar o portal do Future Ocean.

2014-08-17 at 9.15 AM

2014-08-17 at 9.16 AM

Escola de Verão em Mudanças Costeiras

Programa Científico da Escola de Verão

Programa Científico da Escola de Verão

Publicado por: inctambtropic | julho 17, 2014

Novas Publicações dos GTs 2.1 e 3.2

Os GTs 2.1 Geodiversidade e Biodiversidade dos Substratos Plataformais  e 3.2 Ciclos Biogeoquímicos, Fluxo de CO2 e Acidificação do Oceano Atlântico Tropical,  publicaram recentemente dois trabalhos em periódicos conceituados, listado abaixo:

Gomes, MP, Vital, H, Bezerra, FHR, Castro, DL, 2014. The interplay between structural inheritance and morphology in the Equatorial Continental Shelf of Brazil. Marine Geology, 355, 150–161

Fig. 6. (A) Bathymetric map showing main faults, bathymetric and seismic profiles and features (a—Coroa das Lavadeiras sand body, b—beachrocks, c—Guamaré subaqueous dunes field, d— Coroa Branca sand body, e—Açu Incised Valley, f—Apodi Incised Valley); (B) bathymetric trend map of the continental shelf area; (C) residual bathymetric map of the continental shelf area showing shelf compartments. Major faults: 1—Afonso Bezerra; 2—Carnaubais; 3—Macau; 4—Ubarana; 5—Pescada; 6—Shelf Edge Faults; 7—Areia Branca. (For interpretation of the references to color in this figure legend, the reader is referred to the web version of this article).

Mapa batimétrico mostrando as principais falhas perfis batimétricos e sísmicos: (a) —Coroa das Lavadeiras b—arenitos de praia, c—Campo de dunes subaquosas de Guamaré, d— Coroa Branca, e—Vale Inciso do Açu, f— Vale Inciso do Apodi;  (B) Compartimentos batimétricos da platform continental. Principais falhas: 1—Afonso Bezerra; 2—Carnaubais; 3—Macau; 4—Ubarana; 5—Pescada; 6—Shelf Edge Faults; 7—Areia Branca.

Resumo:

The primary objective of this study is to assess the control of faults of the rift and post-rift stages on the shelf morphology of the Potiguar Basin in northeastern Brazil. This aborted rift basin was generated during the opening of the Equatorial Atlantic in the Aptian. The offshore portion of the continental margin consists of a narrow (~ 40 km) and shallow (~ 70 m below present sea-level) continental shelf with a very steep continental slope (1:11). Our dataset encompasses gravity, bathymetric, shallow seismic and structural data. The results indicate that low sedimentation rates during the Quaternary period contributed to the identification of structural controls in pre-Holocene rocks. The key evidence for fault reactivation on the seafloor is the link between coastal and shelf features associated with pre-Cenozoic structures of the Potiguar Basin. During periods of low sea level, the incision of shelf valleys was readjusted longitudinally and transversally due to the structural controls. Shelf gradient breaks are associated with the occurrences of coplanar ESE– WNW-oriented faults, and uplifted and subsided areas occur in between these fault systems. The results indicate a strong correlation between the margin geometry, modern shelf surface, near-surface expression, and the rift-phase faults, which appear to be reactivated in concordance with the present-day margin stress field. We conclude that neotectonics has influenced both the sediment deposition and morphology of the NE Brazilian Equatorial margin during Quaternary times.


 

Servain, J, Caniaux, G, Kouadio, YK, McPhaden, MJ, Araujo, M. 2014. Recent climatic trends in the tropical Atlantic. Climatic Dynamics. 
DOI 10.1007/s00382-014-2168-7

TotalchangeofSST(°C)andPWS(m2/s2)during1964–1975 (a) and 1976–2012 (b). Magenta contours indicate the 95 % Mann– Kendall confidence test for the SST; only PWS vectors significant according to the 95 % Mann–Kendall confidence test are plotted

Mudança na SST (°C) e PWS (m2/s2) durante 1964–1975 (a) and 1976–2012 (b). Os contornos em magenta indicam 95% do teste de confidência de Mann– Kendall para a SST; apenas os vetores PWS significativos de acordo com 95% do teste de confidência de Mann–Kendall estão plotados.

 

Resumo:

A homogeneous monthly data set of sea surface temperature (SST) and pseudo wind stress based on in situ observations is used to investigate the climatic trends over the tropical Atlantic during the last five decades (1964–2012). After a decrease of SST by about 1 °C during 1964–1975, most apparent in the northern tropical region, the entire tropical basin warmed up. That warming was the most substantial ([1 °C) in the eastern tropical ocean and in the longitudinal band of the intertropical convergence zone. Surprisingly, the trade wind system also strengthened over the period 1964–2012. Complementary information extracted from other observational data sources confirms the simultaneity of SST warming and the strengthening of the surface winds. Examining data sets of surface heat flux during the last few decades for the same region, we find that the SST warming was not a consequence of atmospheric heat flux forcing. Conversely, we suggest that long- term SST warming drives changes in atmosphere parameters at the sea surface, most notably an increase in latent heat flux, and that an acceleration of the hydrological cycle induces a strengthening of the trade winds and an acceleration of the Hadley circulation. These trends are also accompanied by rising sea levels and upper ocean heat content over similar multi-decadal time scales in the tropical Atlantic. Though more work is needed to fully understand these long term trends, especially what happens from the mid-1970’s, it is likely that changes in ocean circulation involving some combination of the Atlantic meridional overtuning circulation and the subtropical cells are required to explain the observations. 

Publicado por: inctambtropic | junho 8, 2014

GT1.1 Erosão costeira na Costa do Cacau – Bahia

O GT1.1 Respostas da Linha de Costa do inctAmbTropic publicou recentemente o artigo “Potencial de Prejuízos Econômicos em Função da Densidade de Urbanização e da Sensibilidade à Erosão Costeira na Costa do Cacau – Bahia”.

A Costa do Cacau inclui importantes cidades turísticas do litoral baiano incluindo Itacaré, Ilhéus, Olivença e Canavieiras e apresenta diversos trechos que experimentam erosão severa em alguns casos, desencadeada por intervenções humanas (e.g. Porto de Ilhéus).

Diferentes níveis de sensibilidade à erosão (A), de densidade de urbanização (B) e de potencial de prejuízos econômicos (C) por ocupação urbana à beira-mar na Costa do Cacau.

Diferentes níveis de sensibilidade à erosão (A), de densidade de urbanização (B) e de potencial de prejuízos econômicos (C) por ocupação urbana à beira-mar na Costa do Cacau.

Enrocamento protegendo residências da ação erosiva das ondas na praia de São Domingos

Enrocamento protegendo residências da ação erosiva das ondas na praia de São Domingos

Resumo

O presente trabalho trata da avaliação do potencial de prejuízos econômicos em função da densidade de urbanização por construções fixas à beira-mar e da sensibilidade à erosão na Costa do Cacau, Bahia. Constatou-se que 48,78% da região à beira-mar apresentam um potencial baixo de prejuízos econômicos face à erosão costeira, o que é encontrado em situações de linha de costa a) em equilíbrio e com densidade de urbanização baixa, e b) em progradação e com densidade de urbanização baixa; 26,22%, um potencial médio, em situações de linha de costa a) próximas a desembocadura fluvial e com baixa densidade de urbanização, b) submetida à erosão e com baixa densidade de urbanização, e c) em equilíbrio e com densidade de urbanização média; 22,56%, um potencial alto, em situações de linha de costa a) em equilíbrio e com alta densidade de urbanização, e b) com déficit crônico de sedimentos e focos de convergência de onda aliados a uma densidade baixa de urbanização; e 2,44%, um potencial muito alto, correspondendo a um único trecho de linha de costa submetido à erosão e com alta densidade de urbanização. Os diferentes níveis potenciais de prejuízos econômicos, aqui expressos, traduzem apenas o panorama atual das densidades de urbanização ao longo da região de beira-mar. Tal cenário poderá ser agravado, caso venham a ser mantidas as perspectivas de crescente ocupação humana na região, via de regra conduzida desconhecendo-se a dinâmica costeira local e pelas normas estabelecidas para o desenvolvimento urbano costeiro. Por fim, em que pese as incertezas relacionadas a) ao método utilizado para estimar as densidades de urbanização e b) ao desconhecimento da tendência, se de curto ou longo prazo, do comportamento da linha de costa em relação à erosão, os resultados alcançados, embora de natureza preliminar, apresentam cenários que poderão ser úteis para o gerenciamento costeiro da Costa do Cacau.

Acesso ao arquivo completo (clique)

Referência completa: Nascimento, , Bittencourt, ACSP, Santos, AN, Dominguez, JML 2013. Potencial de Prejuízos Econômicos em Função da Densidade de Urbanização e da Sensibilidade à Erosão Costeira na Costa do Cacau – Bahia. Revista Brasileira de Geomorfologia v14 (4): 261-270.

Publicado por: inctambtropic | junho 7, 2014

Conservação de Recifes

O GT1.3 – Recifes e Ecossistemas Coralinos do inctAmbTropic participou da oficina do Plano de Ação Nacional para Conservação dos Ambientes (PAN-Corais), promovida pelo MMA/ICMBio e pelo Projeto Coral Vivo em Arraial da Ajuda entre 07 e 11 de abril de 2014. Estiveram presentes Dra. Zelinda Leão (UFBA), Dra. Beatrice Padovani (UFPE), Dra. Liana Mendes (UFRN), Dr. George Olavo (UEFS), Dr. Claudio Sampaio (UFAL) e Dr. Ronaldo Francini Filho (UFPA). Nesse workshop foram definidas as bases da elaboração do plano, com definição dos grupos de trabalho por setores da costa tropical brasileira.
Recifes Oficina

O GT1.3 participou ainda da oficina para definição de alvos de conservação no Estado da Bahia, realizado entre 14 e 16 de maio de 2014 pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado da Bahia e WWF-Brasil, na cidade de Salvador. Participaram da oficina a Dra. Zelinda Leão (UFBA), a Dra. Elizabeth Neves (UFBA), o Dr. George Olavo (UEFS) e o Dr. Ruy Kenji P. Kikuchi (UFBA). Neste contexto, está no prelo, disponível online, o artigo de Loiola e colaboradores, que aplicam indicadores ecológicos na definição de áreas prioritárias para conservação de recifes em escala local.

Loiola, Miguel; Cruz, Igor C. S.; Leão, Zelinda M. A. N.; Kikuchi,
Ruy K. P. (in press) Definition of priority areas for the conservation of a 
coastal reef complex in the eastern Brazilian coast. Journal of Integrated Coastal Zone Management, DOI: 10.5894/rgci449

Pesquisadores do GT3.1 – Interação Oceano-Atmosfera, Variabilidade Climática e Previsibilidade no Norte-Nordeste do Brasil e no Atlântico Tropical do inctAmbTropic publicaram trabalho no periódico Risk Analysis (fator de impacto 2.278)  intitulado An Ecological Model for Quantitative Risk Assessment for Schistosomiasis: The Case of a Patchy Environment in the Coastal Tropical Area of Northeastern Brazil. 

A área de estudo foi o municipio de Porto de Galinhas, Pernambuco. O modelo desenvolvido considera dentre outros parâmetros as variações mensais de precipitação. A dispersão do Schistosoma mansoni ocorre mais frequentemente através da migração do caramujo hospedeiro transportado por correntes durante os meses mais chuvosos.

O ciclo da esquistossomose. Fonte: wikipedia

O ciclo da esquistossomose. Fonte: wikipedia

Abstract:

We developed a stochastic model for quantitative risk assessment for the Schistosoma man- soni (SM) parasite, which causes an endemic disease of public concern. The model provides answers in a useful format for public health decisions, uses data and expert opinion, and can be applied to any landscape where the snail Biomphalaria glabrata is the main intermediate host (South and Central America, the Caribbean, and Africa). It incorporates several realistic and case-specific features: stage-structured parasite populations, periodic praziquantel (PZQ) drug treatment for humans, density dependence, extreme events (prolonged rainfall), site-specific sanitation quality, environmental stochasticity, monthly rainfall variation, uncer- tainty in parameters, and spatial dynamics. We parameterize the model through a real-world application in the district of Porto de Galinhas (PG), one of the main touristic destinations in Brazil, where previous studies identified four parasite populations within the metapop- ulation. The results provide a good approximation of the dynamics of the system and are in agreement with our field observations, i.e., the lack of basic infrastructure (sanitation level and health programs) makes PG a suitable habitat for the persistence and growth of a parasite metapopulation. We quantify the risk of SM metapopulation explosion and quasi-extinction and the time to metapopulation explosion and quasi-extinction. We evaluate the sensitivity of the results under varying scenarios of future periodic PZQ treatment (based on the Brazilian Ministry of Health’s plan) and sanitation quality. We conclude that the plan might be useful to slow SM metapopulation growth but not to control it. Additional investments in better sanitation are necessary.

Publicado por: inctambtropic | maio 16, 2014

GeoHab 2015 – Salvador – Bahia – Brasil

Na reunião do GeoHab2014  realizada em Lorne, Austrália, no periodo 5-9 de maio de 2014, foi aprovada a realização do GeoHab2015 em Salvador, Bahia (4-8 de maio de 2015). Esta foi um iniciativa do GT2.1 – Geodiversidade e Biodiversidade dos Substratos Plataformais, do inctAmbTropic. A ida dos coordenadores do GT2.1 à Lorne recebeu apoio  do CNPq , através do edital de promoção de eventos mundiais.

Reunião do GeoHab2014 em Lorne, Austrália

Reunião do GeoHab2014 em Lorne, Austrália

GeoHab (Marine Geological and Biological Habitat Mapping) é uma associação internacional de pesquisadores que estudam as características biofísicas de habitats e ecossistemas bentônicos, como substitutos (proxies) das comunidades biológicas e da biodiversidade. Os principais objetivos destes cientistas são:

1. dar suporte ao planejamento espacial do ambiente marinho, uso sustentado dos oceanos e tomada de decisão,

2. apoiar o desenho de Áreas Marinhas Protegidas (MPAs)

3. conduzir programas de pesquisa direcionados à geração de conhecimento sobre os habitats bentônicos e a geologia do fundo marinho,  e

4. conduzir avaliações de recursos vivos e não-vivos do fundo marinho para fins econômicos e de gestão, incluindo o desenho de reservas de pesca.

Vista dos 12 Apóstolos, no Parque Nacional Port Campbell, próximo a Lorne, e objeto da excursão de campo do GeoHab2014

Vista dos 12 Apóstolos, no Parque Nacional Port Campbell, próximo a Lorne, e objeto da excursão de campo do GeoHab2014

Membros do GT2.1 que participaram do Geohab2014.  A ida dos coordenadores do GT2.1 foi patrocinada pelo CNPq através do edital de apoio à realização de eventos mundiais. Da direita para esquerda: Alex Bastos, Helenice Vital, Tereza Araújo e José M Landim Dominguez. A profa. Tereza Araújo participou do evento com recursos próprios.

Membros do GT2.1 que participaram do Geohab2014. A ida dos coordenadores do GT2.1 foi patrocinada pelo CNPq através do edital de apoio à realização de eventos mundiais. Da direita para esquerda: Alex Bastos, Helenice Vital, Tereza Araújo e José M Landim Dominguez. A profa. Tereza Araújo participou do evento com recursos próprios.

As reuniões anteriores do GeoHab ocorreram nas localidades listadas abaixo. O GeoHab2015 será o primeiro a ser realizado no Atlântico Sul.

  • 2001 St. John’s
  • 2002 Moss Landing
  • 2003 Hobart
  • 2004 Galway
  • 2005 Sidney
  • 2006 Edinburgh
  • 2007 Nouméa
  • 2008 Sitka
  • 2009 Trondheim
  • 2010 Wellington
  • 2011 Helsinki
  • 2012 Orcas Island
  • 2013 Rome
  • 2014 Lorne

O GT2.1 espera com esta iniciativa popularizar o uso  das modernas ferramentas de mapeamento do fundo marinho,  junto à comunidade brasileira.

Publicado por: inctambtropic | abril 22, 2014

GT1.1 – Formação de Recursos Humanos

O GT1.1. Respostas da Linha de Costa do inctAmbTropic – coordenado pelos profs Eduardo Siegle e Tereza Araújo, comunica a defesa da dissertação de mestrado “Vulnerabilidade costeira em praias do norte do Espírito Santo e sul da Bahia” pela acadêmica Juliana dos Santos Ribeiro no Programa de Pós-Graduação em Oceanografia do IOUSP. A defesa da dissertação foi realizada no dia 28 de março de 2014 e a comissão julgadora foi composta pelos profs. Eduardo Siegle (orientador); Jarbas Bonetti (UFSC) e Moysés Tessler (IOUSP). O trabalho foi desenvolvido no contexto do inctAmbTropic e teve também o apoio da Conservation International (CI) através do projeto “Climate change vulnerability assessment of the Discovery coast and Abrolhos shelf, Brazil”.

defesa_Juliana

Resumo: A erosão costeira é um processo de grande poder destrutivo e que afeta pelo menos 70% da zona costeira no mundo. Entender as causas e os processos que levam à erosão, bem como as regiões mais ou menos sensíveis a ela, é essencial para o correto manejo costeiro. O presente trabalho visa identificar as áreas vulneráveis à erosão, através da aplicação de um Índice de Vulnerabilidade Costeira, em praias do norte do Espírito Santo (Pontal do Ipiranga, Conceição da Barra) e sul da Bahia (Mucuri, Nova Viçosa, Caravelas, Prado, Cumuruxatiba, Corumbau, Arraial d’Ajuda, Porto Seguro). O cálculo do índice se deu pela análise de treze indicadores ambientais: número de frentes frias, regime de tempestade, força de ondas, ângulo de incidência das ondas, estimativa de deriva potencial, morfologia da praia, exposição às ondas, presença de rios e/ou desembocaduras, elevação do terreno, vegetação, taxa de ocupação, obras de engenharia costeira e evidências de erosão. Os resultados mostraram que os indicadores “morfologia da praia” e “exposição às ondas” parecem ser os principais contribuintes para a erosão costeira nos municípios em que foram observados grandes prejuízos na infraestrutura urbana e perigo iminente à população local. Já nos demais municípios que também apresentaram focos de erosão, a combinação entre os indicadores “estimativa de deriva potencial” e “regimes de tempestade” parece ser a principal influência ao processo erosivo. Com exceção de Pontal do Ipiranga (que obteve um resultado de baixa vulnerabilidade), todas as praias apresentaram um IVC correspondente à vulnerabilidade moderada à erosão. O estudo se mostra eficiente para a determinação do nível de vulnerabilidade relativo entre as praias estudadas.

Publicado por: inctambtropic | abril 15, 2014

inctAmbTropic recebe sensores CARIOCA

Prof. Moacyr Araújo, coordenador do GT3.2 nas instalações da NKE

Prof. Moacyr Araújo, coordenador do GT3.2 nas instalações da NKE Eletronics – França

O inctAmbTropic recebeu na semana passada os 03 sensores CARIOCA, encomendados junto à NKE Eletronics – França. O sensor CARbon Interface OCean Atmosphere (CARIOCA) pode ser montado em uma bóia fixa ou de deriva. A aquisição foi iniciativa do GT3.2 – Ciclos Biogeoquímicos, Fluxo de CO2 e Acidificação do Oceano Atlântico Tropical do inctAmbTropic.

Sensor CARIOCA

Sensor CARIOCA

Os sensores/bóias adquiridos serão fundeados nas proximidades do Atol das Rocas e dos arquipélagos de Fernando de Noronha e São Pedro e São Paulo. Além da determinação da pressão parcial do CO2 (pCO2) dissolvido na água do mar, as bóias que serão fundeadas pelo inctAmbTropic registram ainda a temperatura, salinidade, e concentração de oxigênio dissolvido. Os valores de pCO2 na água do mar são determinados por colorimetria, utilizando um espectrofotômetro com uma precisão de mais ou menos 3 µatm. Este conjunto de dados permite quantificar as trocas de CO2 entre o oceano e a atmosfera. Os sensores possuem uma autonomia de um ano, com medições a cada hora. Os dados são armazenados e  enviados através do sistema GTS-ARGOS, que também mantem o controle de seu posicionamento. No Atlântico Sul existem em funcionamento contínuo apenas dois sensores CARIOCA, instalados em bóias  ATLAS do Projeto PIRATA.

Locais onde serão instalados os sensores CARIOCA

Locais onde serão instalados os sensores CARIOCA: Atol das Rocas, Fernando de Noronha e Arquipélago São Pedro/São Paulo

Publicado por: inctambtropic | abril 6, 2014

GT2.3 Nova Formação de Pessoal

O GT2.3 Genômica, Proteômica e Biodiversidade do inctAmbTropic, coordenado pelos professores Rodrigo Torres e Mônica Adams comunica a apresentação de mais duas monografias, uma de mestrado e outra de trabalho final de conclusão de curso:

Defesa Daneiele Gama Maia 2

Danielle Gama Maia (2014). Variação genética e a conservação do guaiamum (Cardisoma guanhumi, Decapoda: Gecarcinidae) em estuários do litoral de Pernambuco. Dissertação de Mestrado. Orientador: Rodrigo A. Torres; Co-orientador: Mônica L. Adam.

Resumo:  A sobrepesca do guaiamum (Cardisoma guanhumi) e a perda de habitat contribuem para a redução da população da espécie, devido à maior susceptibilidade à deriva e ao gargalo genético, resultando em perda de potencial evolutivo frente às imposições seletivas do ambiente. Objetivou-se investigar a variação genética e a conectividade de C. guanhumi ao longo do litoral de Pernambuco a partir de 154 exemplares amostrados em cinco estuários com diferentes níveis de conservação. Nove primers ISSRs foram utilizados para acessar a constituição genética da espécie. A diversidade genética observada em C. guanhumi foi alta, contudo, parece haver uma tendência à perda da diversidade genética em áreas estuarinas com elevado grau de antropização. A hipótese de panmixia foi rejeitada em favor de uma distribuição heterogênea dos genótipos de C. guanhumi ao longo da região estudada (FST=0,19), evidenciando uma estruturação genética em fina escala geográfica, compatível com cenários de isolamento por distância. Análises de agrupamento e loci candidatos a estarem sob seleção positiva apontam que as populações de C. guanhumi do litoral Norte e Sul de Pernambuco comportam-se como Unidades Evolutivamente disjuntas e devem ser manejadas independentemente. Os resultados obtidos sugerem que a espécie pode estar em risco adaptativo e necessita de um plano de recuperação, uma vez que, a sua pesca é totalmente dependente dos estoques naturais, que se exauridos, implicarão em graves impactos ecológicos e socioculturais.

 

Defesa Flavia Andrade banca2

Flavia Santos Andrade (2014). Análise da conectividade genética da tainha branca (Mugil curema Valenciennes, 1836) no Nordeste oriental do Brasil. Trabalho de conclusão de curso. Orientador: Rodrigo A. Torres

RESUMO: Mugil curema é uma espécie amplamente distribuída ao longo do Oceano Atlântico com ocorrência nos ambientes tropicais e subtropicais. Esta espécie é considerada um importante recurso pesqueiro no nordeste oriental do Brasil e tem sido alvo da pesca extrativista. Entretanto, informações sobre conectividade e estruturação de populações de tainha são ausentes o que dificulta o manejar as atividades pesqueiras de forma sustentável. Essa informação é crucial para manejar as atividades pesqueiras focando em uma exploração sustentável. Foram amostrados 150 exemplares de M. curema de 5 sítios geográficos diferentes no nordeste oriental do Brasil, com o intuito de investigar as relações genéticas entre as áreas estuarinas acessadas. Sequencias parciais do gene citocromo b foram obtidas e analisadas por métodos de filogenia molecular e genética de populações. No geral, os resultados indicam que a tainha branca apresenta baixa variação genética, já que entre 150 exemplares foram observadas 37 variações para Citocromo b. Tal evidência sugere que cerca de um a cada quatro exemplares é diferente (25% de variação). Porém, Mugil curema é claramente dividida em duas populações bem suportadas que vivem em simpatria. M. curema tipo 1, o qual é intimamente relacionado com M. hospes, e M. curema tipo 2, o qual não foi encontrada na localidade de Tamandaré, PE. As análises de diversidade indicam o tipo 1 com baixa variação genética (~ 16% de variação). Já os dados para o tipo 2 sugerem uma variação genética moderada (~ 50%). Os dados demográficos sugerem regimes populacionais díspares: tipo 1 gargalo genético e tipo 2 expansão recente. O conjunto dos resultados sugere manejo pesqueiro diferenciado para ambas as populações já que se tratam de unidades evolutivas descontínuas com histórias demográficas particulares.

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias

%d blogueiros gostam disto: