inctAmbTropic II – Honorary Lecturer

O inctAmbtropic II co-patrocina juntamente com o programa CAPES-IODP (Projeto Geohazards) a vinda ao Brasil do prof. André Droxler, que durante o meses de Janeiro e Fevereiro de 2018 estará ministrado palestras e mini-cursos nas Universidades Federais do Rio Grande do Norte, Pernambuco e Bahia. A vinda do prof. Droxler foi uma iniciativa da profa. Helenice Vital (UFRN) membro do comitê gestor do inctAmbTropic II.

A programação resumida está apresentada abaixo juntamente com o resumé do prof. Droxler.

 

Droxler

Professor André W. Droxler (Ph.D.)

Rice University – D of Earth, Environmental and Planetary Sciences – Houston, TX (USA)

I am a professor in the Department of Earth Science and currently the Track Director of the Science Master’s Program – Subsurface Geoscience. My research has focused on studying the morphology of and the sediments accumulating on slopes and basin floors surrounding coral reefs and carbonate platforms. Over the past 30 years, I have conducted research programs mostly in the Bahamas, offshore Jamaica, along the Belize margin, in the western Gulf of Mexico, in the Maldives (Indian Ocean), along the Australian Great Barrier Reef and in the Gulf of Papua (Papua New Guinea). The main focuses of my research include the regional and global evolution of coral reefs through time, the paleo-oceanographic/climatic and sea level records archived in the sediments deposited around reefs and carbonate platforms. In contrast with my 30 years plus research a s a marine geologist, I am currently conducting research on Upper Cambrian Microbial Reefs in Mason County, Central Texas funded by an Industry Consortium in collaboration with my colleague Prof. Dan Lehrmann at Trinity University in San Antonio (Texas). My work has been funded by the National Science Foundation, the American Chemical Society, and grants from oil and gas companies. Before becoming an assistant professor at Rice in January 1987, I was a postdoctoral research scientist at the University of South Carolina from 1985 to 1986. I received my Master’s degree equivalent from the University of Neuchâtel (Switzerland) in 1978 and earned his Ph.D. from the Rosenstiel School of Marine and Atmospheric Sciences at the University of Miami (Florida) in 1984.

 

Course UFPE – Recife

ufpe-2_med

For aditional information please contact: antonio.vicente@ufpe.br and  beatrice@ufpe.br

10-12 January 2018 – Short course “Mixed Carbonate Siliciclastic Margins: Reefs Establishment, Growth, and demise from Quaternary to Cambrian” – 6 hours per day (total 18 hours)

  • January 10: Modern Settings – Pleistocene Deglacial Establishment – Quaternary Interglacials
  • January 11: Neogene Evolution in the Gulf of Papua – Belize
  • January 12: Permian Reefs in West Texas and Cambrian Microbial Reefs in Central Texas
  • January 13-15: Fieldtrip

 

Course UFBA – Salvador

blue_brasaoufba_med

For aditional information please contact: ruykenji@gmail.com 

22-24 January 2018 – Short course “Mixed Carbonate Siliciclastic Margins: Reefs Establishment, Growth, and demise from Quaternary to Cambrian” – 6 hours per day (total 18 hours)

  • January 22: Modern Settings – Pleistocene Deglacial Establishment – Quaternary Interglacials
  • January 23: Neogene Evolution in the Gulf of Papua – Belize
  • January 24: Permian Reefs in West Texas and Cambrian Microbial Reefs in Central Texas
  • January 25 Seminar: Science Behind Current Climate Change and Global Warming
  • January 26 Seminar: Climate and the Demise of the Mayan Civilization

 

Course UFRN – Natal

brasao-ufrn-red

For aditional information please contact: geofis@ccet.ufrn.br

05-09 February 2018  – Short course “Transgressive Reefs: Modern to Cambrian” – 6 hours per day (total 18 hours)

  • February 05: Modern Settings – Pleistocene Deglacial Establishment – Quaternary Interglacials
  • February 06: Neogene Evolution in the Gulf of Papua – Belize
  • February 07: Permian Reefs in West Texas and Cambrian Microbial Reefs in Central Texas
  • February 08 – 09 :  Fieldtrip
  • February 19: Seminar: Science Behind Current Climate Change and Global Warming

 

Slice 1@2x

logo-capes 2    IODP_logo-220x88

inctAmbTropic participa do CLIVAR-TAV-PIRATA – Itália

Cinco novos trabalhos dos GTs 3.1 e 3.2 do inctAmbTropic, foram apresentados no XVIII Joint Meeting CLIVAR Tropical Atlantic Variability (TAV) and Prediction and Research Moored Array in the Tropical Atlantic (PIRATA), em Veneza na Itália, no período de 22 a 25 de outubro de 2013. O TAV/PIRATA Meeting tem por objetivo avaliar os avanços na observação, simulação e compreensão dos processos oceânico-atmosféricos que afetam a variabilidade climática no Atlântico Tropical, teleconecções e interações físico-biogeoquímicas.

Veneza
Veneza

Trabalhos apresentados:

VELEDA, D., NORIEGA, C.E.D.,  ARAUJO, M.; HERNANDEZ, F., MONTAGNE, R. The influence mapping of the Amazon River discharge in the tropical Atlantic.

TYAQUIÇÃ , P., VELEDA, D., NORIEGA, C.E.D., ARAUJO, M., COSTA, M. Space-time variability of biogeochemical properties at the Amazon River plume inferred by ocean-color data.

NORIEGA, C., ARAÚJO, M., LEFÈVRE, N. Seasonal variability of the contribution of nutrients and surface CO2 flux in the estuaries of major rivers of the tropical Atlantic.

ARAÚJO, M., LEVÈVRE, N., NORIEGA, C.,  BRUTO, L., ARAÚJO, R. The INCT- AmbTropic: a new CO2 observing network in the Southwestern Tropical Atlantic.

SILVA, M., LEITE, F., NORIEGA, C., SILVA, R., ARAÚJO, M. River discharges in the Tropical Atlantic Ocean and its impact on the CO2 exchange.

Participantes do Encontro
Participantes do Encontro

O livro de Resumos pode ser encontrado neste endereço: https://www.dais.unive.it/~tav-pirata/book_of_abstracts.pdf

Em 2014 o evento será realizado no Brasil, em Pernambuco.

Coordenadora do GT2.1 recebe prêmio FAPERN Mulher Pesquisadora 2013

A Profa. Helenice Vital, uma das coordenadoras do GT2.1 Geodiversidade e Biodiversidade dos Substratos Plataformais, do inctAmbTropic, recebeu no último dia 26/04/2013 o Prêmio FAPERN Mulher Pesquisadora 2013.

Prêmio FAPERN Mulher Cientista 2013
Prêmio FAPERN Mulher Cientista 2013

Em sua terceira edição, o Prêmio tem como objetivo reconhecer e incentivar a pesquisa científica de relevância produzida por pesquisadoras que atuam no estado. O Prêmio é dividido em duas categorias, Pesquisadora Sênior e Jovem Pesquisadora. A vencedora da categoria Sênior foi a professora Helenice Vital da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, professora titular em Geologia Marinha.

Forum Mundial de Ciências 2013 – Encontro Preparatório – Recife

O Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), em colaboração com as principais instituições científicas e tecnológicas brasileiras e governos da América Latina e Caribe, iniciou em 2009 um conjunto de ações com vistas à elaboração de uma estratégia regional do setor CT&I para as próximas décadas. O principal resultado desses encontros foi a formalização de uma Declaração Regional sobre o tema, cujo eixo principal é o estabelecimento de um plano estratégico regional orientado à resolução de problemas comuns que afetam esses países e à necessidade de introdução da temática da inclusão social nas políticas nacionais de CT&I.

destaque_site_wsf_rj

Essa iniciativa resultou na indicação da cidade do Rio de Janeiro para sediar a edição 2013 do Fórum Mundial de Ciência, que terá como tema central “Ciência para o Desenvolvimento Global”. O Fórum acontecerá nos dias 25 e 26 de novembro de 2013. Com a participação de um conjunto de atores que compõem o sistema nacional de CT&I, foi então criada, no final de 2011, a Comissão Executiva Nacional do Fórum Mundial de Ciência 2013, formada por representantes de 12 entidades do setor (MCTI, ABC, SBPC, MRE, MEC-CAPES, CNPq, FINEP, CGEE, ANDIFES, CONSECTI, CONFAP e Escritório da UNESCO no Brasil), que tem como missão a preparação, programação temática e coordenação institucional do Fórum Mundial a ser realizado em novembro de 2013.

Pela importância do evento, as entidades deliberaram por realizar 7 Encontros Preparatórios ao evento principal, em diferentes capitais brasileiras, onde vêm sendo discutidos temas relacionados aos principais desafios da ciência no século XXI, nos contextos nacional e internacional. Quatro temas transversais serão, porém, comuns aos 7 Encontros: (1) Educação em ciência; (2) Difusão e acesso ao conhecimento e interesse social; (3) Ética na ciência; (4) Ciência para o desenvolvimento sustentável e inclusivo.

Rua da Aurora - Recife
Rua da Aurora – Recife

O 5o. Encontro Preparatório, a ser realizado em Recife-PE, terá como tema central “Oceanos, Clima e Desenvolvimento”. O 5o. Encontro Preparatório de Recife pretende abordar diferentes combinações da trilogia “Oceanos, Clima e Desenvolvimento”, com ênfase na identificação das contribuições científicas para a compreensão dos fenômenos, para o enfrentamento e adaptação às mudanças anunciadas, e para o desenvolvimento sustentável e inclusivo das populações a elas submetidas.

A reunião ocorrerá no Auditório do Campus Tecnológico do MCTI no Nordeste, Rua Professor Luiz Freire, 01 – Cidade Universitária CEP: 50740-540 / Recife – PE

Programação do Evento

15 de abril 2013 – Segunda-feira

9h00

Abertura

9h15

Conferência: “Ciência e Tecnologia como Política de Estado”.
Sérgio Machado Rezende (UFPE)

10h00

Intervalo

Sessão 1: Oceanos e Clima

10h15 Conferência temática: “The role of marine reserves in the conservation of
ecosystems through ecological (and social) resilience: The case of the
Great Barrier
Reef”
Darren Cameron (CMS, Austrália)

Moderador: Beatrice Padovani Ferreira (UFPE)
Relatores: Ralf Schwamborn (UFPE) e Sigrid Neumann Leitão (UFPE)

11h00

Oceanos, desertificação e mudanças climáticas.
Pedro Leite da Silva Dias (LNCC)

11h25

Novas orientações para a pesquisa oceanográfica no Brasil.
Janice Romaguera Trotte-Duhá (MCTI)

11h50

Ambientes marinhos tropicais: Heterogeneidade espaço-
temporal e respostas
às mudanças climáticas.
José MariaLandim Dominguez (UFBA, INCT-AmbTropic)

12h15

Debate

12h35

Almoço

Sessão 2: Clima e Desenvolvimento

14h00 Conferência temática: “Risk assessment and extreme events
Ali Mosleh (U. Maryland, EUA)

Moderador: Cláudia Linhares Sales (FUNCAP)
Relatores: Alexandre Stamford da Silva (SECTEC, PE) e Francis Lacerda (IPA)

14h45

Economia da mudança do clima no Brasil: As Regiões
Metropolitanas Costeiras.

Carolina Burle Schmidt Dubeux (Centro Clima/COPPE/UFRJ)

15h10

Meteorologia e Desenvolvimento: uma política nacional
sobre as secas
.Antônio Divino Moura (INMET)

15h35

Intervalo

16h00

Ciência, Tecnologia e Inovação para o semiárido brasileiro.
Ignacio Hernán Salcedo (INSA)

16h25

Aumento do nível do mar e erosão costeira: vulnerabilidade,
mitigação e
adaptação. 
Dieter Carl Ernst Heino Muehe (UFRJ)

16h50

Debate

17h10

Encaminhamento de propostas pelos relatores das sessões

16 de abril 2013 – Terça-feira

Sessão 3: Oceanos e Desenvolvimento
9h00 Conferência temática: “A CIRM e a governança dos oceanos
Capitão-de-Fragata Antonio Cesar da Rocha Martins (SECIRM)

Moderador: Mônica Ferreira da Costa (UFPE)
Relatores: Paulo Jorge Parreira dos Santos (UFPE) e Rosangela Lessa (UFRPE)

9h45

Energias renováveis e sustentabilidade nos oceanos.
Segen Farid Estefen (COPPE/UFRJ)

10h10

Gestão portuária, sustentabilidade ambiental e social.
Elisa Helena Leão Fernandes (FURG)

10h35

Intervalo

11h00

Exploração de reservatórios não convencionais nos oceanos.
José Antonio Barbosa (UFPE)

11h25

Biotecnologia e bioprospecção de produtos naturais de origem marinha.
Valeria Laneuville Teixeira (UFF)

11h50

Debate

12h10

Almoço

Sessão 4: Ciência, Desenvolvimento e Inclusão
14h00 Conferência temática: “Economia Política para o Desenvolvimento
Paulo Fernando de Moura Bezerra Cavalcanti Filho (UFPB)

Moderador: Lúcia Carvalho Pinto de Melo (FUNDAJ)
Relatores: Maria B. Cordeiro de Sousa (FAPERN) e José A. Bertotti Júnior (SECTEC, PE)

14h45

Educação para a Ciência. Anderson Stevens Leonidas Gomes (UFPE)

15h10

Difusão e acesso ao conhecimento e interesse social. Ildeu de Castro Moreira (MCTI)

15h35

Intervalo

16h00

Aquecimento, adaptação e desenvolvimento. Adriano Batista Dias (FUNDAJ)

16h25

Ciência, desenvolvimento e inclusão social: a responsabilidade ética dos
cientistas sociais. Eduardo Baumgratz Viotti (CDS/UnB)

16h50

Debate

17h25

Encaminhamento de propostas pelos relatores das sessões

17h45

Encerramento

Acidificação dos Oceanos e o Futuro dos Recifes de Corais

Corais são organismos construtores de ecossistemas, os recifes de corais,  que servem de hábitat para milhares de outras espécies que habitam os oceanos tropicais. A sobrevivência destes organismos está seriamente ameaçada pela mudanças climáticas (aumento de temperatura e mudança no pH dos oceanos).

Na última semana, do ano passado,  saiu na revista Science, uma pequena matéria chamando a atenção para o fato de que por volta do ano de 2100, quase todos os recifes de corais do mundo poderão estar morrendo em decorrência da acidificação dos oceanos. Um grupo de pesquisadores do Carnegie Institution for Science em Palo Alto, California, analisou os resultados de simulações de como os oceanos deverão interagir com a atmosfera em presença de níveis de CO2 mais altos no futuro (estas simulações integrarão o próximo relatório do IPCC!) (“active biogeochemistry”).

Com base no confronto entre os resultados destas simulações e dados paleoclimáticos e sobre a distribuição geográfica dos mais de 6.000 recifes existentes atualmente no mundo, concluíram que persistindo a trajetória de emissões de CO2 atual (“business as usual”), todos os recifes de corais do mundo estarão circundados por águas com saturação de aragonita inferior a 3, comprometendo diretamente a sobrevivência dos mesmos.

Embora os resultados desta pesquisa ainda não estejam publicados (o trabalho foi submetido), os mesmos foram discutidos em detalhe na palestra do geoquímico Ken Caldeira do Departamento de Ecologia Global do Carnegie Institution, no AGU Fall Meeting 2012, no início do mês de dezembro passado (veja a palestra completa abaixo). Vale a pena assistir, não só pela introdução ao tema acidificação dos oceanos, como também pelas simulações e novas idéias apresentadas.

Entre 1992 e 2011 Groenlândia e Antártica já perderam 4 trilhões de toneladas de gelo

A subida do nivel do mar é uma das maiores ameaças às zonas costeiras do mundo. No Brasil uma das áreas que serão afetadas é a região norte-nordeste (veja esta postagem). Um estudo publicado na Science de autoria de Shepherd e colaboradores combinando medidas de  altimetria, interferometria gravimetria feita por satélites, determinou que entre 1992 e 2011 cerca de 4 trilhões de toneladas de gelo já derreteram na Groenlândia e Antártica, o que teria causado uma subida do nível do mar da ordem de 11mm.

perda gelo
Mudanças cumulativas na massa de gelo (eixo esquerdo) e nível do mar global equivalente (eixo direito) assumindo que 360Gt de gelo correspondem a 1mm de subida no nível do mar (Shepherd et al 2012)

O jornal The Guardian disponibilizou  ontem um clip de um documentário de  com a participação do  fotógrafo James Balog intitulado “Chasing Ice“,  premiado no Sundance Film Festival de 2012. O clip mostra a liberação de 7.4 km cúbicos de gelo da geleira Ilulissat na Groenlândia.

James Balog cerca de 03 anos atrás apresentou uma palestra muito interessante no TED talks sobre o seu trabalho no projeto Extreme Ice Survey documentando o recuo e a  diminuição do gelo no Alasca, Groenlândia e Islândia (veja abaixo):

Processo Regular de Avaliação do Meio Ambiente Marinho, Inclusive Aspectos Socioeconômicos

No dia 12 de dezembro de 2012 será realizada no auditório do Ceerma/UFPE,  uma reunião sobre o Processo Regular de Avaliação do Meio Ambiente Marinho, Incluindo Aspectos Socioeconômicos. Esta reunião, organizada pela Secirm/PPGMar, UFPE e MMA contara com a participação dos pesquisadores que responderam a primeira chamada e já foram indicados para a Rede de Peritos do Processo Regular. O Dr. Peter Harris e a Dra. Beatrice Padovani (integrante do GT1.3 do inctAmbTropic), ambos do grupo de especialistas do Processo, representando a Austrália e o Brasil, respectivamente, estarão também presentes, além de representantes do MMA e MCTI e outros convidados. A reunião acontecerá logo após o Seminário em celebração aos 15 anos da Pós-Graduação em Oceanografia da UFPE, intitulado “Tropical Oceans: Challenges of the 21st Century”, a ser realizado na cidade de Recife, dias 10 e 11 de dezembro de 2012.

tmp_30thanniversary_doalos

O que é o Processo Regular ?: em 2010, a Assembléia Geral das Nações Unidas determinou o inicio do Primeiro Ciclo do Processo Regular de Avaliação do Meio Ambiente Marinho, Incluindo Aspectos Socioeconômicos, cujo objetivo é produzir a Primeira Avaliação Global Integrada dos Oceanos ate 2014. Informações sobre o Processo estão disponíveis no site da DOALOS (www.un.org/Depts/los/global_reporting/global_reporting.htm). Este Processo, conduzido sob a égide da ONU, conta com um grupo Ad Hoc da Assembléia Geral, estabelecido para guiar e supervisionar o processo. Conta também com um grupo de 25 especialistas representando todas regiões do globo que vão estruturar a Primeira Avaliação. Um grupo muito maior de especialistas formará uma rede de peritos, para redigir e dar suporte ao processo bem como participar do processo de revisão da primeira avaliação.Estima-se que de 1500 a 2000 peritos  serão necessários para compor a rede, que deve não somente representar os temas mas também as regiões geográficas.
Os critérios de escolha estão listados no Anexo I, A/66/189 (http://ods.un.org/). Peritos com qualificações adequadas são incentivados a se engajar neste processo voluntario. Cabe ao governo, através do Itamaraty fazer as nomeações. Na reunião de Recife, serão discutidos os métodos de trabalho da primeira Avaliação e tambem a organização do workshop preparatório para o Atlântico Sul. Os workshops são ferramentas-chave pelas quais a primeira Avaliação Global Integrada será realizada e que guiarão também os Estados para que estes aumentem sua capacidade de avaliar os estado dos Oceanos. Os workshops visam promover o diálogo, desenvolver um inventário de avaliações ambientais e sócioeconomicas já existentes sobre o meio marinho na região, identificar as conexões entre os fatores de pressão e estado do meio marinho e identificar as capacidades locais, bem como as necessidades de capacitação e maneiras de atendê-las. Como a indicação de peritos é um processo continuo, a realização dos workshops também é uma oportunidade para tal. O workshop do Atlântico Sul ainda não possui data confirmada, mas a intenção é realizá-lo ainda no primeiro semestre de 2013.

UFPE inaugura Museu de Oceanografia

A Universidade Federal de Pernambuco, integrante do inctAmbTropic inaugurou no dia 23 de outubro o seu Museu de Oceanografia, reunindo um acervo coletado durante os últimos 30 anos incluindo espécies raras da fauna e flora marinha. O investimento no prédio  e nos equipamentos do museu totalizaram R$2 milhões.

Os principais estudos a serem realizados no museu serão de taxonomia. O museu conta com a  segunda maior coleção do Brasil de esponjas e a terceira de crustáceos.

O Museu de Oceanografia  Professor Petrônio Alves Coelho, está localizado no campus da UFPE, tem 600 metros quadrados de área, e possui sete laboratórios e um auditório. Visitas podem ser agendadas pelo telefone 81-2126-8225. Abaixo uma pequena entrevista concedida pela vice-coordenadora do inctAmbTropic, Profa. Sigrid Leitão na ocasião da inauguração.

Ola Pessoal

Bemvindos ao Blog do inctAmbTropic. Utilizaremos este blog para divulgar as notícias sobre o nosso inct e os resultados alcançados. Ao final dos cinco anos de duração do projeto teremos um relato completo de tudo que realizamos e alcançamos.

No dia 02 de maio de 2012 foi  publicado no Diário Oficial da União o extrato do convênio do inctAmbTropic. Esta data fica então estabelecida para o início das nossas atividades  com prazo de execução de 60 meses. Vamos tentar fazer uma diferença nos próximos 05 anos nas Ciências do Mar na região norte-nordeste do Brasil.